@WebsterGTarpley

Archives

EUA, Paquistão, perto de guerra aberta; Ultimato chinês adverte Washington Contra Ataque

« Português Index

Webster G. Tarpley, Ph.D.
TARPLEY.net
20 de maio de 2011

A China colocou oficialmente os Estados Unidos sob o aviso que o ataque planeado de Washington sobre o Paquistão será interpretado como um ato de agressão contra Pequim. Este aviso frontal representa o primeiro ultimato estratégico conhecido recebido pelos Estados Unidos em meio século, desde o alerta Soviético durante a crise de Berlim de 1958-1961, e indica o grave perigo de uma guerra geral que cresce do confronto EUA-Paquistão.

“Qualquer ataque no Paquistão seria interpretado como um ataque à China”

Em resposta a relatos de que a China tem pedido aos EUA para respeitarem a soberania do Paquistão, e na sequência da operação Bin Laden, o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Jiang Ya a 19 de Maio numa conferência de imprensa afirmou o categórico pedido de Pequim para que “a soberania e a integridade territorial do Paquistão sejam respeitadas”. De acordo com fontes diplomáticas Paquistanesas citado pelo Times of India, a China tem”avisado em termos inequívocos, que qualquer ataque contra o Paquistão seria interpretado como um ataque à China”. Este ultimato teria sido entregue a 9 de Maio durante o diálogo Estratégico China-EUA e nas conversações econômicas em Washington, onde a delegação chinesa foi liderada pelo vice-primeiro ministro Wang Qishan e pelo conselheiro de Estado Dai Bingguo.1 As advertências chinesas estão implicitamente apoiado pelos mísseis nucleares da nação, incluindo uma estimativa de 66 mísseis balísticos intercontinentais, alguns capazes de atacar os Estados Unidos , mais 118 mísseis de alcance intermediário, 36 submarinos lançadores de mísseis e numerosos sistemas de curto alcance.

O apoio da China é visto por observadores regionais como criticamente importante para o Paquistão, que de outro modo é apanhado entre as pinças dos EUA e da Índia: “Se a pressão dos EUA e da Índia continuar, o Paquistão pode dizer que” a China está atrás de nós. Não se pense que estamos isolados, temos uma potencial superpotência connosco’”, afirmou Talat Masood, um analista político e general paquistanês aposentado, à AFP.2

O ultimato chinês veio durante a visita do primeiro-ministro Paquistanês Gilani, em Pequim, durante o qual o governo anfitrião anunciou a transferência imediata e sem custos de 50 caças estado-da-arte JF-17 ao Paquistão.3 Antes de partir, Gilani sublinhou a importância da aliança do Paquistão com a China, proclamando: “Estamos orgulhosos de ter a China como nosso melhor e mais confiável amigo . E a China terá sempre o Paquistão de pé a seu lado em todos os momentos …. Quando falamos desta amizade como sendo mais alta que os Himalaias e mais profunda que os oceanos tal capta realmente a essência da nossa relação”.4 Estas observações foram lamentadas por porta-vozes dos EUA, incluindo o senador republicano de Idaho Risch.

A crise latente estratégica entre os Estados Unidos e o Paquistão, explodiu em toda a força em 1 de Maio, com a invasão unilateral e sem autorização do comando Americano acusado de ter morto o fantomatico Osama bin Laden num edifício em Abottabad, em flagrante violação da soberania nacional do Paquistão. O calendário destas operação de cosmética militar concebida para inflamar as tensões entre os dois países não tinha nada a ver com uma alegada Guerra Global ao Terror, e tudo a ver com a visita em final de Março ao Paquistão do príncipe Bandar, chefe do Conselho de Segurança Nacional da Arábia Saudita. Essa visita resultou numa aliança de fato entre Islamabad e Riad, com o Paquistão a prometer tropas para derrubar qualquer revolução colorida (Nota 1 do tradutor) apoiada pelos EUA no reino, enquanto estende a proteção nuclear para aos sauditas, tornando-os menos vulneráveis ​​às ameaças de extorsão por parte dos EUA de abandonar a monarquia rica em petróleo à mercê da simpatia de Teerão. Uma decisão conjunta por parte do Paquistão e da Arábia Saudita para sair fora do império dos EUA, independentemente do que pensamos destes regimes, representaria um golpe fatal para o decadente império dos EUA no sul da Ásia.

Em relação às afirmações dos EUA sobre o suposto ataque de 1 de Maio a Bin Laden, são uma massa de contradições desesperadas que mudam de dia para dia. A análise desta história é melhor deixá-la para críticos literários e escritores de crítica teatral. O único fato sólido e incontestável que emerge é que o Paquistão é o principal alvo dos EUA – o que intensifica a política anti-Paquistão pelos EUA, que está em vigor desde o infame discurso de Obama em Dezembro 2009 em West Point.

Gilani: Retaliação força total para defender bens estratégicos do Paquistão

O aviso chinês a Washington veio no decurso da afirmação de Gilani, ao Parlamento do Paquistão, em que declara: “Que ninguém retire conclusões erradas. Qualquer ataque contra alvos estratégicos do Paquistão, às claras ou dissimulado, encontrará resposta à altura ….O Paquistão reserva-se o direito de retaliar com toda a força. Ninguém deve subestimar a determinação e a capacidade da nossa nação e das forças armadas para defender nossa pátria sagrada “.5 Um aviso de retaliação em plena força vindo de uma potência nuclear, como o Paquistão tem de ser levado a sério, mesmo pelos agressores endurecido do regime Obama .

Os ativos estratégicos de que Gilani fala são as forças nucleares do Paquistão, a chave do país para a estratégia de dissuasão contra uma possível agressão pela Índia, instigada por Washington, no âmbito do acordo de cooperação nuclear EUA-Índia. As forças dos EUA no Afeganistão não têm sido capazes de esconder seu vasto plano para tentar capturar ou destruir as bombas e ogivas nucleares do Paquistão De acordo com uma reportagem de 2009 da Fox News: “Os Estados Unidos têm um plano detalhado para se infiltrarem no Paquistão e defenderem o seu arsenal de ogivas nucleares móvel se o país estiver prestes a cair sob o controle dos Talibãs, Al Qaeda e outros extremistas islâmicos. “Esse plano foi desenvolvido pelo general Stanley McChrystal, quando liderou o Comando de Operações Especiais Conjuntas dos EUA em Fort Bragg, Carolina do Norte (Joint Special Operations Command) . JSOC, a força, reportadamente envolvida na operação de Bin Laden. é composto pelo Exército Delta Force, os SEALs da Marinha e “uma unidade de informação de alta tecnologia especial conhecida como Task Force Orange”. Unidades de pequena dimensão poderão controlar [mísseis nucleares do Paquistão], desativá-los, e depois recolocà-los em local seguro “, afirmou um fonte citada pela Fox.6

Obama já aprovou o ataque furtivo às armas nucleares do Paquistão

De acordo com o London Sunday Express, Obama já aprovou uma agressiva ação ao longo destas linhas: “as tropas dos EUA serão colocadas no Paquistão, caso as instalações nucleares do país fiquem sob ameaça de terroristas para vingar a morte de Osama Bin Laden … O plano, que seria ativado sem o consentimento do Presidente Zardari, provocou uma firiosa reação nos oficiais do Paquistão … Barack Obama ordenaria tropas lançarem-se em pára-quedas para proteger lugares de mísseis nucleares chave. Estas [tropas] incluem a base da força aérea de Sargodha HQ, local de aviões de combate F-16 com capacidades nucleares e pelo menos 80 mísseis balísticos. De acordo com um oficial dos EUA,” O plano já tem luz verde e o presidente já mostrou que está disposto a colocar tropas no Paquistão se achar que é importante para a segurança nacional “.7

A extrema tensão sobre este assunto destaca o risco diplomática e a incalculável loucura do ataque unilateral de Obama no 1º de Maio, que poderia facilmente ter sido interpretado pelos paquistaneses como o ataque há muito aguardado sobre suas forças nucleares. Segundo o New York Times, Obama sabia muito bem que estava a provocar guerra de tiros imediata com o Paquistão, e “insistiu que a força de assalto para a captura de Osama bin Laden na semana passada fosse grande o suficiente para lutar caso o seu caminho para fora do Paquistão fosse confrontado por oficiais de polícia local hostil e tropas “.

O tiroteio já começou

O tiroteio entre as forças dos EUA e do Paquistão intensificou-se na terça-feira 17 de Maio, quando um helicóptero da OTAN EUA violou o espaço aéreo paquistanês no Waziristão. As forças paquistanesas mostraram elevado estado de alerta, e abriram fogo de imediato, com o helicóptero dos EUA a ripostar. Dois soldados num posto fronteiriço paquistanês na fronteira na área de Datta Khel foram feridos.8

A possível retaliação para esta incursão fronteiriça veio em Peshawar na sexta-feira, 20 de Maio, quando um carro-bomba, visou aparentemente como alvo um comboio de dois veículos do consulado dos EUA , mas não causou mortes ou ferimentos em americanos. Um espectador paquistanês foi morto e vários feridos. Noutra guerra de inteligência , a televisão Ary One informou o nome do chefe da estação da CIA em Islamabad, o segundo espião de topo residente dos EUA que teve o seu paradeiro revelado em menos de seis meses.

O enviado dos EUA Grossman rejeita os Apelos paquistaneses para pôr termo às violações fronteiriças. 

O Representante Especial dos EUA para o Afeganistão e Paquistão, Marc Grossman, substituto de Richard Holbrooke, em 19 de Maio arrogantemente rejeitou os apelos paquistaneses para que se garanta que operações unilaterais ao estilo Abottabad não mais seriam efectuadas no Pakistan.9 Ao recusar-se a oferecer essas garantias, Grossman alegou que oficiais paquistaneses nunca haviam exigido o respeito pela sua fronteira nos anos mais recentes.10

No meio desta crise estratégica, a Índia avançou com manobras militares programadas inerentemente provocadoras visando o Paquistão. Este é o “Vijayee Bhava” (Sejamos Vitóriosos) , exercício realizado no deserto de Thar do norte do Rajastão. Este exercício Blitzkrieg atômico-biológico-químico envolve os “Secomnd Armored Corps ,” considerado o mais crucial das três formações de ataque principal do Exército indiano encarregado de cortar o Paquistão virtualmente em dois durante uma guerra total”11.

A Nação: O Contragangue Pseudo-Talibã CIA-RAW-Mossad (Nota 2 do tradutor)

Uma maneira de fornecer a provocação necessária para justificar um ataque EUA/Índia ao Paquistão seria através de um aumento das ações terroristas atribuíveis aos chamados talibãs. Segundo a mídia paquistanesa, a CIA, a Mossad, o RAW Hindu (Ala de Pesquisa e Análise) criaram sua própria versão dos talibãs, sob a forma de um countragangue terrorista que eles controlam e dirigem. De acordo com um relato, agentes da “Central Intelligence Agency (CIA) infiltraram-se nas redes Talibã e da Al-Qaeda, e criaram a sua própria força Tehrik-e-Talibã Paquistão (TTP), a fim de desestabilizar o Paquistão.” O ex-comandante da Região do Punjab do Inter-Service Intelligence (ISI) paquistanês, o brigadeiro-general aposentado Aslam Ghuman, comentou: “Durante a minha visita aos EUA, percebi que a agência de espionagem israelita Mossad, em conivência com a RAW agência indiana, sob a supervisão direta da CIA, planearam a desestabilização do Paquistão a qualquer custo”.12 Foi este countragangue o responsável por dois atentados da semana passada no Waziristão, que matou 80 policias paramilitares?

De acordo com a mesma fonte, a inteligência Russa “revelou que o contratante da CIA Raymond Davis e sua rede providenciaram agentes da Al-Qaeda com armas químicas nucleares e biológicas, para que as instalações dos EUA possam ser atingidas e o Paquistão ser culpado …”. Davis, um veterano da JSOC , foi preso pelo assassinato de dois agentes do ISI, mas, em seguida, libertado pelo Governo paquistanês após uma choradeira por parte do Departamento de Estado.

CIA afirma o novo patrão da Al Qaeda vive no Waziristão

Se os EUA precisarem de um novo pretexto para invasões adicionais, será fácil citar a alegada presença no Waziristão do Saif al-Adel, agora citado pela CIA como provável sucessor de Bin Laden como chefe da Al Qaeda.13 É sem dúvida conveniente para as intenções agressivas de Obama que se possa alegar que Saif al-Adel está a residir próximo do que é agora a mais quente fronteira em todo o mundo, e não em Finsbury ou Flatbush.

Na sequência da incursão não autorizada de1 Maio pelos EUA, o chefe militar paquistanês Geral Kayani tinha emitido o seu próprio aviso de que semelhante “desventuras” não poderiam ser repetidas, enquanto anunciava que o pessoal dos EUA dentro do Paquistão seria drasticamente reduzido. Na estimativa de uma fonte do ISI, há atualmente cerca de 7.000 agentes da CIA no país, muitos deles desconhecidos do governo paquistanês. A partilha de informações entre EUA-Paquistão, foi reportadamente reduzida. Em resposta às reações de Kayani, a operação de propaganda da CIA conhecida como Wikileaks mais uma vez mostrou sua verdadeira natureza ao tentar desacreditar o comandante do Paquistão, com duvidosos relatórios de embaixadas americanas em como ele havia pedido mais ataques de drones Predator (Nota 3 do tradutor) , e não menos, nos últimos anos.

Especialmente após o discurso de Obama em West Point, a CIA tem usado ataques de drone Predator para massacrar civis com o objetivo de fomentar uma guerra civil dentro do Paquistão, levando a uma desintegração do país ao longo das linhas étnicas do Punjab, Sind, Baluquistão, e Pushtunistão. O objetivo geopolítico é o de destruir o potencial do Paquistão para ser o corredor energético entre o Irão ea China. Selig Harrison surgiu como um defensor nos EUA para a secessão do Baluquistão.

Desde 1 de Maio, foram reportados seis ataques de drones Predator dos EUA que massacraram cerca de 42 civis paquistaneses, incitando a opinião pública a um frenesim de ódio anti-americano. Em resposta, uma sessão conjunta do parlamento paquistanês aprovou por unanimidade em 14 de Maio o exigir do fim dos ataques com mísseis americanos, apelando ao Governo para cortar a linha de abastecimento da OTAN para o Afeganistão se os ataques continuarem.14 Uma vez que a linha de abastecimento de Karachi para Khyber fornece tanto quanto dois terços dos bens necessários pelos invasores do Afeganistão, tal corte causaria o caos entre as forças da NATO. Tudo isto aponta para a loucura inerente de provocar guerra com o país no qual a tua linha de abastecimentos passa.

EUA quer usar o chefe talibã Mullah Omar contra o Paquistão

O Departamento de Estado retirou todas as condições prévias para negociar com os talibãs desde Fevereiro, e os EUA são agora reportados pelo Washington Post como negociando com emissários do mulá Omar, o líder zarolho lendário do Quetta Shura ou conselho dirigente dos Talibã. É evidente que os EUA estão a oferecer uma aliança aos talibãs contra o Paquistão. O enviado regional dos EUA Grossman é hostil aos paquistaneses, mas quando se trata dos Talibãs,  tem sido apelidado de “Sr. Reconciliação”.15 Por outro lado, diz-se que EUA estão determinados a assassinar o líder da rede Haqqani usando um ataque do tipo Bin Laden. Os paquistaneses estão igualmente determinados a manter Haqqani como um aliado.

Se a China está por detrás do Paquistão, então pode dizer-se que a Rússia está por detrás da China. Ansioso pela próxima reunião de 15 de junho da Organização de Cooperação de Xangai, o presidente chinês Hu elogiou as relações sino-russas como estando ” num ponto alto sem precedentes”, com um “ingrediente estratégico evidente.” Numa conferência de imprensa esta semana, o presidente russo Medvedev foi obrigado a reconhecer indirectamente que o tão apregoada “renovação” de Obama com a Rússia produziu poucos resultados, já que o programa de mísseis dos EUA ABM na Roménia e no resto da Europa de Leste, está obviamente, dirigido contra a Rússia, significando que o tratado START é de duvidoso valor, aumentando assim o espectro de uma “nova Guerra Fria”. Dada a agressão da NATO contra a Líbia, não haveria nenhuma resolução da ONU contra a Síria, disse Medvedev. Putin esteve sempre certo, e Medvedev está tentando imitar Putin para salvar alguma chance de permanecer no poder.

Estamos em julho de 1914?

A crise que levou à Primeira Guerra Mundial começou com os assassinatos de Sarajevo de 28 de junho de 1914, mas a primeira grande declaração de guerra não ocorreu até 1 de Agosto. No mês intercalar de Julho de 1914, grande parte da opinião pública europeia recuou para um transe de sonho, de uma idílica e Holywoodesca ilusão elegíaca, mesmo quando a crise mortal ganhou momento . Algo semelhante pode ser visto hoje. Muitos americanos imaginam afectuosamente que a suposta morte de Bin Laden assinala o fim da guerra contra o terrorismo e a guerra no Afeganistão. Em vez disso, a operação Bin Laden deu início claramente a uma nova emergência estratégica. Forças que se opunham à guerra do Iraque, da MSNBC a muitos liberais de esquerda do movimento de paz, apoiam de modo variado a agressão sangrenta de Obama na Líbia, ou mesmo celebrando-o como um senhor da guerra mais eficaz do que Bush-Cheney, por causa de seu suposto sucesso à custa de Bin Laden. Na verdade, se alguma vez houve um tempo para nos mobilizar para parar uma guerra nova e mais vasta, é agora.


Nota 1 tradutor– revolução colorida é uma revolução falsa promovida por serviços secretos a fim de desestabilizar a região.

Nota 2 tradutor-– RAW: “Research an Analysis Wing” são os serviçoes de inteligência da Índia e a Mossad de Israel.

Nota 3 tradutor– Drones são Veículos Aéreos não Tripulados (VANT). Um desses veículos é chamado de Predator.

Referências

2 “China-Pakistan alliance strengthened post bin Laden,” AFP, May 15, 2011, http://www.sundaytimes.lk/index.php/analysis/7546-china-pakistan-alliance-strengthened-post-bin-laden
6 Rowan Scarborough,”U.S. Has Plan to Secure Pakistan Nukes if Country Falls to Taliban, Fox News, May 14, 2009.
7 “US ‘To Protect Pakistan,” London Sunday Express, May 15, 2011, http://www.express.co.uk/posts/view/246717/US-to-protect-Pakistan-
9 “US refuses to assure it will not act unilaterally,” http://thenews.jang.com.pk/NewsDetail.aspx?ID=15758
11 “Getting leaner and meaner? Army practices blitzkrieg to strike hard at enemy,” Times of India, May 10, 2011, http://articles.timesofindia.indiatimes.com/2011-05-10/india/29527731_1_three-strike-corps-army-and-iaf-transformational
12 “CIA has created own Taliban to wreak terror havoc on Pakistan, claims Pak paper,” ANI, May 12, http://my.news.yahoo.com/cia-created-own-taliban-wreak-terror-havoc-pakistan-091621821.html
13 “New al-Qaeda chief in North Waziristan,” May 19, 2011
Be Sociable, Share!